Carta Aberta para os homens angolanos
neste Março

Por Leopoldina Fekayamale

 

Feliz Março, meus queridos!

A todos vocês, queridos amigos, pais, irmãos, conhecidos e desconhecidos, que se lembram do  "Março Mulher". 

Gostava de falar-vos sobre alguns motivos que inúmeras mulheres têm para não estar festa durante o mês Março. Talvez, muitos desses motivos não afectem as mulheres que vos são próximas e, por isso, no final seja fácil dizerem: "ah, mas não é assim com todas". Pois, pode não ser assim com todas, mas acreditem ou não, as coisas, muitas vezes, acabam por afectar, mesmo que indirectamente, a todas, tal como o sistema patriarcal vos favorece a todos, de alguma forma, directa ou indirectamente.

Em diferentes níveis, áreas e contextos sociais, e em diferentes idades, as mulheres são vítimas de acções que as oprimem. Isso acontece de Janeiro a Janeiro! Nem no suposto "Março Mulher" há descanso.

Não há descanso para aquelas mulheres que são vítimas constantes de violência doméstica. Não há beleza nenhuma em Março para mulheres que têm de lidar com agressões físicas e psicológicas todos os dias. E além disso, ainda ter de lidar com uma sociedade que, muitas vezes, legitima essa violência e lhes diz que têm de ser submissas e "aguentar só" porque 'homem é homem' e pode tudo! O que significa mesmo ser Março nestas condições?!

Não sei se sabem, meus queridos, mas inúmeras meninas/jovens são assediadas por professores nas escolas a todo momento. Parece exagero? Mas não é, é uma das coisas mais reais na vida dessas mulheres. Existem aos montes, professores que exigem favores, exigem sexo para que estas tenham a possibilidade de aceder a outros níveis dentro da Academia. Professores que criam um círculo fechado e oprimem alunas para obter esses favores. E sabem o que acontece muitas vezes nesses casos? Eles são protegidos!! Protegidos por outros professores com o mesmo comportamento, protegidos pelos próprios superiores hierárquicos dentro da escola com o mesmo comportamento, protegidos por amigos, os "brothers" que acham "normal" e simplesmente fecham os olhos. E as vítimas? Ah, essas são sempre culpadas! Culpadas por serem mulheres, culpadas por serem "atraentes", culpadas por não terem como se defender, culpadas, culpadas... Há alguma beleza nisso?! Há alguma razão para festejar Março quando quem nos felicita também nos oprime?!

Ainda sobre assédio, sabiam vocês, meus caros, que inúmeras mulheres são impedidas de progredir profissionalmente dentro dos locais de trabalho porque o chefe assedia e se não recebe resposta positiva então torna num inferno a vida de quem o rejeitou? O chefe incomoda, exige uma atenção que não lhe é devida, cria situações que desconfortam e oprimem e espera que se lhe façam as vontades todas, é homem (!) e se sente "no direito de exigir e coagir". E as vítimas, quem se importa com elas?! Para muitos de vocês elas têm é que ficar caladas e felizes porque o chefe as deseja. Porque mulher tem que calar e fingir que está tudo bem com um sorriso no rosto para não perturbar a paz patriarcal e para receber flores em Março. Haverá alguma beleza nessas flores?

Caros, vocês sabiam que -  todos os dias - , uma menina, jovem, senhora é estuprada por algum desconhecido, conhecido, amigo, parente próximo ou distante? Existe uma lista infinita de homens que pensam ter direito sobre o corpo da mulher.  E vocês, importam-se mesmo com isso?! Já pararam para pensar em como a vida dessas mulheres fica marcada, gravemente, de forma negativa depois disso?Já pararam para pensar que, quando dizem ser culpa delas porque se "vestiram mal", porque andaram sozinhas à noite,  porque foram divertir-se numa festa e "exageraram" nos copos, porque provocaram, estão, com todas essas justificações absurdas, a tornar legítimos esses actos?  Dizendo que homens podem estuprar quando "têm motivos" (só que não) e que as  "mulheres merecem ser estupradas"?! Já pensaram o quão doloroso é passar por uma situação dessas e estar diante de um sistema de justiça que em primeiro lugar te pergunta "o que fizeste para que te estuprassem", que te joga as culpas e faz sentir que ninguém se importa?! Porque no final das vossas contas, "a mulher sempre faz alguma coisa para merecer" e o agressor tem sempre atenuantes. Esse Março lindo que nos vendem não costuma discutir as diferenças que realmente importam para a vida das mulheres.

Já pararam para pensar em como são livres para tudo? Para sonhar alto, para viver sem regras, para planificar e viverem suas vidas como quiserem sem que ninguém vos impeça, sem que ninguém vos limite e oprima? Entretanto, são vocês que, sendo livres, impedem que as mulheres sejam livres também. São vocês que dizem "mulher não pode falar assim, não pode sentar assim, não pode andar assim, não pode ir aí, não pode pensar muito, não pode sonhar muito, não pode querer muito, não pode voar muito, não pode decidir, e se decidir tem de ser em função dos caprichos do homem; tem que se limitar, tem que ficar atrás, não pode ter o mesmo salário que o homem, tem que obedecer, tem que ser submissa..." e é uma lista infinita de "nãos" e "tem que". É também por isso que nos felicitam em Março, por nos quererem sem voz. Pois bem, abrimos mão dessas felicitações!

E quantos de vocês tratam as mulheres, dentro de casa, como máquina de fazer filhos e como empregadas domésticas?! Quantos de vocês negam o direito a decidir sobre seu corpo, sobre sua vida, sobre não querer determinadas coisas?! Quantos de vocês difundem a ideia de que mulheres têm mesmo de se sacrificar pelos outros como se não tivessem vontades próprias?! Quantos de vocês estudam, trabalham, progridem profissionalmente, realizam os vossos sonhos, mas deixam as vossas mulheres em casa, sem direito a todas essas coisas, a cuidar, sozinhas, dos filhos, a lavar a roupa, cozinhar, engomar e fazer tudo para os homens, a anularem-se como pessoas para que vocês triunfem?! Conhecem as lágrimas ocultas das vossas mulheres?! Aquelas lágrimas de insatisfação e tristeza por levar uma vida que lhes prometeram que seria diferente?

Esses são alguns poucos motivos que existem para não andarmos em euforia em Março. Vocês, os que nos felicitam, são os maiores beneficiários de tudo no final das contas. Março deveria ser vosso! É mais feliz para vocês. Para os vossos inúmeros privilégios vos cegarem e não quererem ver como muitas mulheres sofrem. Quando veem,  calam e consentem.

Gostava que, antes de saírem por aí nos próximos "Marços", a gritar elogios para as mulheres,  pensassem no que têm feito para tornar a sociedade mais justa e igual para todos. Gostava que pensassem nos vossos privilégios e em como a vossa luta por mantê-los tem sido a opressão de muitas mulheres de Janeiro a Janeiro! Se querem realmente fazer alguma coisa pelas mulheres, então comecem por abrir mão dos vossos privilégios e abrir caminho para um mundo melhor, de igualdade e liberdade para todos. Se assim não for, todo o vosso palavreado será em vão, desnecessário, desonesto. Feliz Março? Só se for para vocês. 

 

Foto cedida por Paula Agostinho, todos os direitos reservados 
Ondjango Feminista